Middle-Earth: Shadow of Mordor | Primeiro Gole

SITE_Template35

Confesso que estaca esperançoso até demais com este jogo ‘Middle-Earth: Shadow of Mordor’. Não via a hora de colocar as mãos e jogá-lo, porquê né, #BELLAN aqui é um ultra fãboy Tolkeniano. E não é que as primeiras impressões foram muito boas? Curta só o trailer de lançamento:


 

Bem vindo à Terra-Média

Além de estar acompanhando por vídeos, reviews e gameplays, só fui mesmo abrir os olhos com a BGS deste ano, onde o pessoal da Warner + Jovem Nerd jogavam e comentavam em cima. *Falando nisso, lançaram um NerdPlayer bem bacana*.

Bem, o mais bacana deste jogo e que está explícito já no título, é quanto a Mordor de Sauron. Quem aqui nunca quis andar na boa – em partes – por lá? O fato do protagonista ser “imortal”, ajuda muito e dá pra dar uma zoneada nos orcs e Uruks por lá. De fato, a dificuldade do jogo não é tão “leve” não, pois né, os eventos de jogo mudam quando você morre e a IA guarda todas estas informações. É bacana voltar pra bater no Uruk que te matou e ele ficar surpreso e ainda mais com raiva.

Bem, outro ponto bacana é o seguinte: O jogo parece que “pegou” o melhor do Assassins Creed, Tomb Raider, série Arkham do Batman e misturou com a mitologia Tolkien. Eu falo mitologia pois, não apenas referência à Senhor dos Aneis e Hobbit, como também muito material encontrado no Silmarillion. Os fãs vão pirar demais!

Imagem Divulgação

Imagem Divulgação

Narrativa Sombria

Já de cara e no tutorial – que por sinal é MUITO bacana e direto – temos a apresentação de Talion e toda sua ambientação em Gondor. Só um adendo, é de que o roteiro é assinado por Cantamessa de ‘Red Dead Redemption’.

Bem, se já somos tocados pela história lá no tutorial, é fácil continuar jogando e querendo saber o que vai acontecer com Talion. Apesar do jogo ter uma linha fixa de história, suas ações no jogo também influenciam e abrem um pouco do leque de opções. Sabe aquela sensação de que QUEREMOS AJUDAR O TALION? É mais ou menos por aí.

Imagem Divulgação

Imagem Divulgação

Técnica e Qualidade

A beleza do jogo é que ele está bem suave pra jogar, mesmo com os 6GB de vídeo dedicado que pede – na verdade, acredito que seja para configurações 4k. Pra quem tem 1GB , 2GB ou 3GB de vídeo dedicado, não vai ter nenhum problema se acertar nas configurações.

Um adendo interessante é que o pessoal da Weta Workshop – juntamente com Peter Jackson – deu uma conferida e supervisionada na produção de texturas e concept designs. Isso indica muita similaridade com o universo PJ criado nos cinemas, ou seja, um colírio para os olhos

Quando a dublagem, ela é totalmente localizada para nossa realidade tupiniquim. Todos os orcs/uruks foram dublados e sim, há diversas gírias e sotaques bem interessantes e que não se vê em qualquer jogo por aí. Ponto altíssimo aqui no cuidado em que tiveram.

Imagem Divulgação

Imagem Divulgação

Replay e Considerações

Por hora, não vi um grande erro ou problema com o jogo. Com toda certeza vou continuar a jogá-lo e consequentemente terminá-lo. Até saiu uma notícia de que a DLC sai ainda este ano, denominada ‘Lord of the Hunt’ e o melhor, vai dá pra controlar um Anão!

Para todo fã de ação/aventura, Tolkien e que curte uma história bacanuda num roteiro bem amarrado, vai curtir! Em breve, espero trazer uma review mais detalhada por aqui! 

Imagem Divulgação

Imagem Divulgação

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Análises, Games, Matérias, Primeiro Gole

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s