Kumiko, A Caçadora de Tesouros | Review

SITE_Template35

Rumiko, the Treasure Hunter
Rinko Kikuchi, Nobuyube Katsuki
Direção por David Zellner
Drama
Março, 2015

VITAMINADO

VITAMINADO

Estava a procurar um filme para resenhar, quando dou de frente com Kumiko. Ele não é uma adaptação de mangá ou novel nipônica e, tão pouco uma produção oriental. O filme estrelado por Rinko Kikuchi (Pacific Rim/Círculo de Fogo) é um longa – e tem na direção um – americano, mas com uma personagem japonesa, a tal Kumiko.

Foi aí que busquei mais informações de Kumiko e me deparei com a sua sinopse, um tanto que curiosa e não menos intrigante:

“A japonesa Kumiko (Rinko Kikuchi) tem uma vida pacata e um tedioso emprego. Após encontrar o VHS do filme Fargo (1996) ela fascina-se pela história a ponto de estudá-lo meticulosamente. No filme há um mapa com a localização de uma maleta repleta de dinheiro. Acreditando nisso, Kumiko segue a trilha exposta no longa e vai atrás do pote de ouro.”

E mais, o longa é baseado em fatos reais! UI! Aí não resisti 😀

Poster, imagem divulgação

Poster, imagem divulgação

A Conquistadora

Temos em primeiro plano a apresentação da personagem Kumiko, vivida esplendidamente por Rinko Kikuchi, em uma praia e encontrando um suposto “tesouro”. Na verdade, uma fita VHS, surrada e bem comprometida…

Ela leva pra casa e descobre ser o filme Fargo, de 1996, que por sinal, é baseado em fatos reais. Nessa, e fervorosamente, temos Kumiko crente em que a maleta enterrada em um dos trechos do filme, realmente fora enterrada. É aí que ela começa a tramar uma maneira de encontrar este tesouro ou mesmo, um escape de sua pacata vida em Tóquio.

Por se tratar de um drama “pessoal”, temos na maior parte das cenas a vivência da personagem em sua blusa vermelha surrada. Ela vive numa Tóquio que não estamos acostumados a ver, numa parte da cidade periférica, simples e nada metropolitana. Kumiko trabalha como “office lady”, mas já está velha para sua profissão, tanto que seu chefe sempre a questiona do que a jovem procura ser na vida. Ela não se importa, ela quer ter sua casa, seu trabalho simples, comer seu lamen pré-cozido e claro, poder viver a aventura de sua vida… Viajar até os Estados Unidos, mais especificamente até a gélida Fargo, em Minnesota.

O Casulo de Kumiko

Se você acompanhou o trabalho de Rinko apenas por Pacific Rim/Círculo de Fogo, corra assistir mais filmes desta talentosíssima atriz. Como Kumiko, temos a melancolia, a introspecção e aquele livre e verdadeiro sorriso – quando acontece, é raro – com uma naturalidade exuberante. Não é à toa que concorreu como Melhor Atriz no Spirit Award. 

Bem como uma Tóquio tímida, temos uma vida simples sendo exemplificada na direção de Zellner, com uma Kumiko preparando o café para seu chefe, desviando da bagunça de seu apartamento – lembra o Togashi aqui :p – e falando o mínimo necessário com sua família e amigos.

Kumiko tenta uma socialização com amigos antigos ou mesmo seu seu coelhinho Bunko. Mas na verdade, ela não se importa com o mundo externo, e sua vida está voltada para com Fargo e sua obsessão em encontrar a maleta cheia de dinheiro, que segundo ela, será um grande acontecimento.

a1947089448_10

Obsessão Pelo Objetivo

O que você é capaz de fazer para conseguir o quer? Pode ter certeza que Kumiko é capaz de TUDO!
Uma das questões bacanas do filme é tratar quanto aos valores sociais. Enquanto que para o chefe da protagonista, ter Kumiko como office lady é um atraso, para ela, tanto faz como tanto fez; Ela vive bem do jeito que tá. Da mesma forma, com sua família, em mais específico, sua mãe que só pergunta coisas do tipo: “Está namorando?” “Está grávida?” ou mesmo “Já foi promovida?”.

É nessa que em vários momentos do filmes nos perguntamos: Será que a vida de Kumiko é uma “gaiola” ou na verdade, ela é um ser ímpar que pode transitar para fora dessa “gaiola social”.

“Kumiko é uma chama de esperança num mundo desesperançoso, talvez a única lúcida em um mundo de loucos”. Por Ritter Fan

Real Particular

Kumiko sabe que Fargo é um filme e que também é baseado em fatos reais. Mas qual o limite de sua crença, ou melhor dizendo, até onde ela acha que o filme é real? Para ela, apenas o local e a mala são reais?

O interessante é que ela mesmo no filme se auto-intitula uma caçadora de tesouros, uma conquistadora – a lá Indiana Jones. Não dá pra saber se ela teve esta transformação quando achou a fita VHS na caverna da praia ou se fora sempre assim. Mas não importa, parece que em no decorrer de todo o filme, ela “consegue” viver sua realidade particular… Não há nenhum momento de desistência!

Irmãos Zellner

Podemos dividir o filme em dois momentos: Na escala de cinza da Tóquio de Kumiko em seu casaco vermelho, para a monocromática Minnesota nevada e branca de Kumiko, em seu edredom/poncho colorido.

As cenas são muito bem montadas e sonorizadas, mas a cereja do bolo é com a segunda metade do filme. Os enquadramentos da jovem – com bochechas rosadas – em meio ao “nada” da neve, nos lagos gelados são muito belos. De fato, é um grande trabalho dos Zellner e do grupo musical The Octopus Project.

09

Esperando Ajuda

Kumiko, a Caçadora de Tesouros não é um filme para todos. Normalmente, se a sinopse te pegar, você vai gostar. Se estiver na dúvida, já assistiu algo como Winter’s Bone/Inverno da Alma? Se curtiu, acho que também pode ter uma grata satisfação com este aqui.Para a galera que não curte dramas melancólicos, passe longe.

Se algo do que podemos extrair do filme, é com toda certeza a “busca de seus objetivos”. Em diversos momentos, temos as sociedade freando a conquista de Kumiko, porém, ela nunca desiste e segue em frente.

Se ela possui algum problema ou é “louca”, isso não vem ao caso. Na verdade, o principal tratado por aqui é de que ela deve viver sua vida do jeito que ela vê, mesmo estranha para outros – ou todos. Cem vão atrapalhar? Continue. Um vai ajudar? Aproveite, mesmo que ele desista depois.

one-sheet

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Análises, Live Action, Notícias, Reviews

5 Respostas para “Kumiko, A Caçadora de Tesouros | Review

  1. Ah, muito obrigada, Bruno! Adicionado! =)

    Curtir

  2. Interessante saber que existe esse filme! Porém, quem fez a resenha podia ter visto Fargo também para aprofundar mais o texto. Vi Fargo várias vezes e é um dos meus filmes preferidos, principalmente pela policial protagonista, pelo humor negro e pelo modo como a trama é desenvolvida. Sim, é verdade que uma garota japonesa ficou famosa por ter ido atrás da maleta de dinheiro mostrada no filme. Porém, ela deixou um diário relatando que tinha sido deixada pelo namorado e que tinha ido para Fargo para se esquecer da dor. Foi, de certa forma, um suicídio. O filme Fargo foi promovido na época de lançamento como baseado em fatos reais, mas foi uma estratégia de marketing para deixar as pessoas mais aterrorizadas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s